Resenha: Lolita

terça-feira, 15 de setembro de 2015

Sinopse: "Lolita" é uma das obras mais polêmicas da literatura contemporânea universal. 

Muito arrojado para a moral vigente na época, o romance de Vladimir Nabokov (1899-1977) foi inicialmente recusado por várias editoras. Ao ser finalmente lançado, em 1955, por uma editora parisiense, gerou opiniões antagônicas: houve quem definisse o livro como um dos melhores do ano; houve quem o considerasse pornografia pura. Nos Estados Unidos, onde só viria a ser publicado em 1958, rapidamente conquistou o topo das listas de mais vendidos. 

Visto hoje, filtrado pelos anos e por uma verdadeira biblioteca de comentário e crítica, Lolita parece sobretudo uma apaixonada história de amor, escrita com elegante desespero. O protagonista é o obsessivo Humbert, professor de meia-idade. Da cadeia, à espera de um julgamento por homicídio, ele narra, num misto de confissão e memória, a irreprimível e desastrosa atração por Lolita, filha de 12 anos de sua senhoria. 

Escrito num estilo inimitável - mas não intraduzível, como bem se verá -, "Lolita" é uma obra-prima da literatura do século 20. Aqui se cruzam alguns dos temas clássicos da arte de todos os tempos (a paixão, a juventude, o amadurecimento) com questões mais típicas da nossa modernidade, como as ambivalências eróticas e o exílio - que é uma questão tanto de geografia quanto da linguagem e do coração.



Ficha Técnica:
Autor: Vladimir Nabokov
Título: Lolita
N° de páginas: 320
Editora: Biblioteca Folha
Avaliação Final: 5/5   ♥♥♥♥♥ FAVORITO

Minha resenha: Que sensação – sem palavras para descrever – que eu fiquei ao terminar de ler esse livro. Fui uma sucessiva de altos e baixos com relação ao que senti conforme fui lendo, uma mistura de fascinação com raiva, com encantamento, com frustração, mas por fim me rendi por completo à história. Logo no começo do livro fiquei pensando bastante e consequentemente acabei fazendo julgamentos precipitados, tentando discernir a história antes mesmo de entrar dentro dela.

Depois desse momento de alta emoção com relação aos sentimentos que senti, procurei por resenhas do livro pra saber a opinião de outras pessoas, pra entender melhor a história e notar se deixei passar alguma coisa e confesso que fiquei um pouco frustrada. Fui assistir a vídeos no youtube e se tivesse feito isso antes de ler o livro teria ficado bastante chateada porque dos vídeos que eu assisti as resenhas contam praticamente tudo sobre a história o que na minha opinião acaba deixando quem ainda vai ler sem surpresa nenhuma. Por isso aviso, quem for procurar por vídeo-resenha tenha cuidado se não quiser saber da história por completo. Não falo que todos que fizeram vídeo-resenhas são assim, mas sim de alguns que eu vi, se não me engano, foram mais de cinco.

A resenha vai ficar grande, aviso de antemão, mas não falarei nada que estrague a história. Por isso senta, fica acomodado e acompanhe o que achei.

Humbert Humbert – sim, o nome dele é assim mesmo – é um professor de meia-idade que está na cadeia à espera de seu julgamento por homicídio o que de certa forma se torna um fato curioso já que ninguém sabe o que desencadeou esse fato que ele só contará no seu julgamento, mas como ele está doente resolve escrever essas memórias a fim de esclarecer esse fato.

Humbert é bonito e ele tem plena noção disso, além de ser super inteligente, mas tem um porém, ele se sente atraído por ninfetas. Sua primeira experiência com uma foi na adolescência, ela infelizmente acabou morrendo o que partiu seu coração. À medida que foi amadurecendo ele notou que de fato seu interesse em se tratando de mulheres era direcionado as mais nova, mesmo que vez ou outra tenha se envolvido com mulheres mais velhas. Inclusive esse termo “ninfeta” foi obra do autor. O que naquela época gerou polêmica, embora o livro não tenha nenhuma cena sexual explicita. Melhor dizendo, o livro não é erótico, mas mesmo assim ele acabou tendo a sua publicação vedada em alguns países no seu lançamento.

O livro é dividido em duas partes, e a segunda parte foi cansativa em comparação a primeira com capítulos e descrições muito grandes, confesso que pensei em pular algumas páginas, mas não o fiz porque Humbert garantiu que eram partes essenciais da história. Sim, ele fala com a gente já que o livro é uma forma de depoimento do seu julgamento e no caso quem leria a história seria o júri.

Humbert foi casado, ele via nela traços de ninfeta e ela fazia charme e sabia conquistá-lo além do casamento ter sido benéfico em relação a patrimônio não que ele necessitava de dinheiro, mas mesmo assim acabou casando. Não deu certo e o casamento acabou de uma forma boa para ele – fato esse que você só vai descobrir como se ler o livro. Vale ressaltar que Humbert teve muita sorte, notei isso em diversos seguimentos da história porque tudo se encaixou e aconteceu de forma que lhe beneficiasse.

Após isso ele vai trabalhar exercendo sua profissão de escritor e acaba sendo internadas duas vezes em um sanatório. Me pareceu que eles estava desgostado da vida, fadigado e sem um proposito pelo qual viver.

“Lolita, luz de minha vida, labareda em minha carne. Minha alma, minha lama. Lo-li-ta: a ponta descendo em três saltos pelo céu da boca para tropeçar de leve, no terceiro, contra os dentes. Lo. Li. Ta.”

Seu primeiro contato com Lolita, Lô, Dolly, Dolores – chame como quiser porque pra diferentes partes e acontecimentos da história ele a chama de uma forma – foi deslumbrante. Ele vinha para passar uma temporada na casa de um amigo, mas acabou tendo um incêndio nessa casa o que fez com que esse amigo oferecesse abrigo a ele na casa de Charlotte, da qual Humbert disse que não ficaria. Detestou a casa, a decoração e já estava arrumando uma desculpa pra ir embora quando ele se deparou com Dolores, a descrição desse momento é sensacional.


Num primeiro momento o livro é escrito em forma de diário, do qual ele mantinha antes e conseguiu quase que reproduzir por completo. Depois em forma de narração mesmo, relembrando os fatos ocorridos.

Não vou falar como eles acabaram se envolvendo. Obra do destino ou acaso, mas ressalto Humbert teve muita sorte. Não precisou de grandes esforços para ficar ao lado de sua amada. O final foi inesperado. O porquê de ele ter cometido esse assassinato e como aconteceu foi inesperado. Fiquei um pouco triste por ele, fiquei um pouco triste por ela, mas ao mesmo tempo foi “justo” o final que cada um teve.

E apesar da história causa certo desconforto, pelo fato desse envolvimento de Humbert com uma adolescente, ela de todo não é santa. Não sei se foi de proposito ou não, se ela tinha noção do quanto era envolvente ou não, – visto que ele fala sobre isso, de que tem menina que não sabem ou às vezes sabem do poder de sedução que tem desde novinhas, porém nem todas possuem isso – mesmo assim ela dá a entender que também tem interesse nele. Claro que esse envolvimento lhe trouxe problemas no quesito de se relacionar com outras pessoas, de fazer julgamentos e ter alterações de humor. Era de se esperar esse tipo de comportamento da parte dela já que essa situação mexeu com o curso natural de se desenvolvimento.

Um dos pontos surpreendentes foi à nota do autor no final, ele falando da dificuldade que foi para publicar o livro, de como foi o processo de escrita, da forma como as editoras falaram sobre a história. Inclusive ele cita suas partes favoritas também ♥ 



























Eu fiz julgamentos precipitados, em certas partes eu achei um absurdo isso, eu fiquei incomodada com a história, mas as palavras de Nabokoc foram esclarecedoras:


Lolita não traz nenhuma moral a reboque, para mim, um romance só existe na medida em que me proporciona o que chamei grosso modo de volúpia estética, isto é, um estado de espírito ligado, não sei como nem onde, e outros estados de espíritos em que a arte (curiosidade, ternura, bondade, êxtase) constitui a norma.”

Termino dizendo que esse foi um dos melhores livros que li no ano, na vida. Entrou sem sombras de dúvidas para um dos meus favoritos, com certeza pretendo fazer uma releitura o quanto antes, como também quero ler mais livros do Nabokov. Porque não é todo dia que você encontra um livro que te deixa sem palavras, literalmente falando.

Espero que tenham gostado.
Um super beijo.

10 comentários:

  1. Oi Dany!
    Eu nunca li Lolita, mas tinha uma ideia pré-concebida bem diferente do que você escreveu na resenha! Eu realmente pensava que era erótico, mas pelo jeito o livro é muito mais complexo que isso. Não tinha vontade de ler esse livro até ler a sua resenha, agora fiquei curiosa!

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem complexo Sora, que faz a gente refletir sobre vários pontos.Entrei em conflitos.
      Espero realmente que leia, quero saber sua opinião sobre o livro.
      Beijos.

      Excluir
  2. Eu achava que esse livro fosse um romance erótico, por isso nunca me interessei de verdade nele. Acho que devido às adaptações para televisão e cinema.

    Sua resenha esclareceu muita coisa e agora vou colocá-lo na lista.
    Parabéns pelo texto. Conseguiu me convencer a lê-lo.

    Bjs ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero que leia, é uma leitura incrível. Logo mais vai sair resenha sobre os filmes o que também não é tão erótico assim.
      Beijos.

      Excluir
  3. Oi Dany!
    Uma vez peguei este livro para ler, mas a narrativa não me prendeu e eu abandonei. Vendo você falar tão bem, fico com vontade de retomá-lo. Vou ver se faço isto após minha leitura atual. Ótima resenha! :)
    beijos ♥
    nuclear--story.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Espero realmente que consiga voltar a ler e não desista. As vezes a narrativa fica arrastada e enche um pouco o saco a forma como ele foi escrito mas vale muito a pena.
      Leia ele sim *-*
      Beijos.

      Excluir
  4. Fazem aaaanos que li este livro, lembro que peguei na biblioteca municipal. Lembro pouco da trama, mas lembro com certeza que adorei. Comprei para ter em casa esta mesma edição sua e pretendo reler um dia...

    Beijo, Vanessa Meiser - Retrô Books
    http://balaiodelivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu já quero reler ele. Foi a primeira coisa que falei quando terminei de ler "preciso reler ele o quanto antes".
      É muita informação, é muitos conflitos consigo mesmo é uma trama bem elaborada e escrita de uma forma que de deixa um pouco cansado mais mesmo assim permanece a curiosidade.
      Beijos.

      Excluir
  5. O famoso Lolita. Ai...quero muito ler esse livro. Tão falado...quero conhecer a trama e também sentir essa repulsa. Muito bom... sua resenha ficou perfeita. Super bem escrita e desenvolvida. Parabéns!
    Beijos,
    Monólogo de Julieta

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Paloma pelos elogios. Espero sim que leia e que possa entrar em conflitos com a trama.
      Super indico.
      Beijos.

      Excluir